O vírus das contradições

           O NOVO coronavírus é novo porque já havia outros coronas circulando por aqui pelo menos desde o começo do século passado. A “novidade” do atual está em seu rápido potencial de propagação. É bem por isso que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou agora estado de pandemia – ou seja, uma epidemia com ampla disseminação; no caso, disseminação em âmbito global.

            O que aconteceu, e está acontecendo, na China, no Irã e na Itália revela que de fato o momento é crítico. Indica que a Humanidade poderá passar por uma catástrofe de proporções bíblicas. Tomara que não! De qualquer maneira, já é possível dizer que o impacto social, econômico e sanitário dessa pandemia será o maior dos últimos cem anos, desde a Gripe Espanhola, que, em apenas dois anos, matou vinte milhões de pessoas (1918-1919).

           Por força de tal magnitude, muitos entraram a tirar conclusões moralistas sobre essa nova pandemia: o coronavírus seria um castigo para a Humanidade egoísta; uma advertência contra as injustiças do mundo. Seria, talvez, um sinal de que os humanos precisam rever seus valores morais… Enfim, os palpites variam.

         Creio que é bobagem prosseguir nessa direção. Não há nada de castigo, ensinamento ou provação nesta pandemia – é o mundo. De mais a mais, a Humanidade já passou por outras catástrofes semelhantes, ou maiores que esta, e nem assim se redimiu, não corrigiu seus erros e caminhos. Por isso, e por ora, sem julgamentos morais – é preferível refletir sobre algumas contradições que nos afligem nesta nova pandemia.

           Primeira delas: o novo corona é um “vírus global”, que está a exigir o fechamento das fronteiras entre países para impedir sua propagação, só que isso ocorre num momento em que a globalização capitalista vinha exigindo exatamente o contrário, ou seja, a derrubada das fronteiras e a liberdade dos negócios, do laissez-faire, laissez-passer – “Deixai fazer, deixai passar”.

            Num momento de superconexão da Humanidade, em que as pessoas se falam e se veem por meio de áudios e vídeos diariamente, quando as máquinas supersônicas do século XX encurtaram as distâncias no tempo e no espaço, propiciando a fácil locomoção e o encontro das pessoas por todo o globo terrestre, somos obrigados a ficar em casa, a nos separar – distanciados e até isolados, uns dos outros.

            No instante em que o mundo, capitalista e neoliberal, apregoa a minimização e até o desaparecimento do Estado, o coronavírus vem demonstrar, dramaticamente, que o Estado é indispensável à promoção da saúde das pessoas e ao combate a epidemias com potencial para a extinção em massa dos seres humanos.

           Bem no momento em que o credo neoliberal propõe a privatização dos sistemas de saúde e de seguridade social, o coronavírus deixa evidente que apenas o mercado, sem a rede pública de saúde, não é capaz de prover o tratamento e o combate a doenças endêmicas, epidêmicas ou pandêmicas – enfim, doenças que atingem indistintamente o conjunto da sociedade, com ou sem plano privado de saúde.

            Quando o negacionismo – e até mesmo alguns dirigentes mundiais – põe em dúvida o papel da Ciência, questionando, por exemplo, o aquecimento global e a importância das vacinas, o coronavírus vem escancarar a tarefa primordial do conhecimento científico – quer para a preservação do habitat, nossa Casa Comum, quer para a manutenção da vida humana no planeta.

           No momento em que o mundo está fazendo sua quarta grande revolução (depois da Agrícola, Científica e Industrial), ou seja, no instante em que mergulhamos de vez na chamada “revolução digital”; quando as novas tecnologias prometem um avanço vertiginoso na direção do futuro, e corremos velozmente para a era da indústria e do crescimento 4.0, eis que surge o coronavírus para dizer que devemos parar.

         Nesta hora em que a cartilha do neoliberalismo apregoava aos quatro cantos do mundo a necessidade de um rigoroso “ajuste fiscal” nas contas do Estado, com a contenção de gastos sociais e despesas com os pobres, chegou o coronavírus para inverter essa lógica perversa, mostrando que o investimento na área social é (sempre foi) uma questão de vida ou morte.

           Por último, e sem prejuízo de mais outras contradições, quando o mundo caminhava no rumo da desigualdade crescente entre países e fortunas pessoais, entre povos e indivíduos, surge o novo coronavírus para lembrar que o destino da Humanidade é um só. Que estamos todos no mesmo barco, sujeitos às mesmas intempéries e naufrágios, e que não nos salvaremos sem que todos se salvem.

______________________

http://www.avessoedireito.com

Esse post foi publicado em Avesso e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s