Pacto do isolamento

            O NOME que deram é “Pacto Republicano”, mas de republicano ele não tem nada. Esse acordo, entre os três poderes – Presidência da República, Congresso e STF -, para assegurar as macrorreformas e a governabilidade do país, é na verdade um pacto antirrepublicano; pois é antipopular e antidemocrático – não há República (res publica) sem democracia e sem povo.

        O que querem com essa história de pacto? Enfiar goela abaixo do povo brasileiro a reforma da Previdência, que penaliza os mais pobres, as mulheres e os trabalhadores do campo? Cortar gastos na área social? Privatizar o que resta e o que for possível do Estado brasileiro? Consolidar a entrega de nossas riquezas naturais (petróleo, nióbio, outros minérios e até a água)?

          Só que é difícil fazer pacto com o Bolsonaro. O presidente da Câmara dos Deputados, depois das manifestações pró-governo do último domingo, disse que foi traído na internet e não confia mais no presidente.

          A grande mídia também ainda não “avalizou” o pacto. Acha que o chefe do executivo até agora não deu mostras de que seja capaz de estabelecer (e honrar) um acordo desses. Em editoriais, os grandes veículos de comunicação têm sinalizado que o único pactuante realmente comprometido com as reformas é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

           Isolado politicamente, o capitão resolveu apostar no “coitadismo”.

         Em um evento na Embratur disse que está recebendo ameaças. Perguntado depois, pelos jornalistas, sobre quem é que o estaria ameaçando, o presidente não soube dizer. Na mesma ocasião, disse que tem muita gente querendo tirá-lo do cargo (ah, isso tem!), mas também não disse quem é que quer defenestrá-lo.

        Por fim, queixou-se de que se sente vivendo “em prisão domiciliar sem tornozeleira eletrônica”. Essa talvez seja a metáfora mais fulgurante de seu isolamento político. Não tem diálogo com o Congresso; ataca a oposição; está em guerra com a imprensa; não tem base aliada consistente; perdeu a confiança do mundo político e está perdendo também a do mercado.

         O desempenho da economia poderia salvá-lo. Mas como, se está se desenhando no cenário internacional um quadro de profunda depressão e aqui dentro o PIB está despencando? Dólar nas alturas. Pra piorar esse quadro, Bolsonaro não tem plano econômico; só reforma reforma reforma-  ninguém aguenta mais ouvir falar em “reforma da Previdência” como motor da economia.

          Cadê providências para alavancar o crescimento, gerar emprego,  expandir mercado (interno e externo)… cadê? Não tem. O papo é um só: reforma da Previdência, reforma dos ministérios, reforma administrativa… isso não enche barriga. O presidente não vai impulsionar nenhum crescimento econômico sem investimento público: na infraestrutura, no crédito industrial, no crédito popular, na tecnologia etc.

          Não precisa ser economista para saber que nenhuma economia do mundo consegue sair de crises profundas sem investimento estatal. Vide, no pós-guerra, o que foram o New Deal nos EUA e o Plano Marshall na Europa, para reerguer aquelas economias devastadas pela Segunda Grande Guerra – sem o Estado não haveria recuperação econômica nenhuma.

          Aqui no Brasil, estão fazendo exatamente o contrário: rebaixam o poder de compra dos salários (deprimindo o consumo); demonizam o BNDES (deprimindo a empresa); deixam os juros lá em cima (inviabilizando o crédito); destroçam o setor da construção pesada (com a colaboração decisiva da Lava Jato!); cortam investimentos em infraestrutura… enfim, adotam políticas recessivas para combater recessão – erro crasso, contradição histórica.

           Uma pesquisa Ibre/FGV constatou que 90% dos países emergentes investiram mais que o Brasil em 2018. Resultado: todos eles tiveram crescimento econômico superior ao crescimento brasileiro no mesmo período. Precisa mais o quê para enxergar que sem investimento público o país não vai sair de crise nenhuma?

            No entanto, o presidente só fala em cortes, em reformas, em contenção de gastos e… claro, em armas. Vai isolar-se também em face dos países emergentes. Encostou nos EUA, adotou uma política externa unilateral, unipolar, e quase destroça as parcerias comerciais como árabes e chineses – um isolamento desastroso.

          Se continuar assim, daqui a pouco o presidente – na sua solitária domiciliar – vai fazer pacto apenas com sua turma. Essa mesma que anda aí nas ruas e nas redes a dizer que a reforma da Previdência vai gerar emprego e salvar a economia brasileira – é a turma da terra plana; do criacionismo bíblico e do “olavismo cultural”. Haja paciência com essa militância de sofá!

______________________

http://www.avessoedireito.com

Esse post foi publicado em Avesso e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Pacto do isolamento

  1. Arthur disse:

    Professor,

    É também a turma da Mirian Leitão, Carlos Alberto Sardenberg, Gerson Camaroti e outros sabichões. Esses entendidos, em seu ódio irracional contra o Estado, realmente pensam que a destruição da aposentadoria das pessoas impulsionará a economia. Eles são tão doentes e mentalmente insanos, que não percebem que a ruína do Estado não virá antes do fim da empresa em que trabalham, que nunca esteve tão mal das pernas.

    Abs,

    Arthur

    • Concordo, Arthur.
      Quero ver o que dirão esses “sabichões” depois que a reforma da previdência se revelar inócua (ou até nociva) diante da atual crise econômica.
      Obrigado, Abraço.
      A.A.Machado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s