Batendo cabeça

       ALGUMAS instituições, ou melhor, alguns setores de algumas instituições, em aliança escancarada com a mídia empresarial, tiveram papel decisivo no golpe de Estado que derrubou Dilma Rousseff em 2016; mas agora, esses setores golpistas, em disputa pelo poder, estão se desentendendo; batendo cabeça mesmo.

          Vejamos o desespero dessa turma que mergulhou o país na crise institucional em que nos encontramos hoje.

          A grande mídia – um dos setores golpistas – entrou em confronto com o governo do também golpista Jair Bolsonaro, a ponto de este último, por exemplo, cortar verbas de publicidade que antes eram destinadas à Rede Globo e que agora vão para a Record – do bispo aliado.

         A pequena mídia – sites, revistas e jornais online – que apoiou o golpe, está também desorientada nessa disputa de poder. O site O Antagonista publicou uma reportagem fajuta contra o ministro do STF Dias Tofolli, fazendo o jogo de desestabilização da Suprema Corte para impedi-la de julgar algumas questões, entre elas a prisão em segundo instância – que beneficiaria Lula.

          A Suprema Corte, que também foi decisiva no golpe – pela omissão -, mandou retirar essa reportagem da internet – é uma reportagem fajuta, mas nem por isso pode ser censurada – e foi mais longe: censurou quaisquer outras publicações contra ministros do STF; como se vê, está perdida a Suprema Corte.

      Ela mesma, numa decisão claramente inconstitucional (Judiciário não pode ter iniciativas investigatórias), determinou a instauração de inquérito para apurar supostas condutas de procuradores da república – alguns deles com participação decisiva no golpe de 2016 através da Lava Jato – suspeitos de veicular fake news contendo ofensas e ameaças aos ministros da Corte.

          Conhecendo esse inquérito, a procuradora-geral da república, Raquel Dodge, sem ter recebido o tal inquérito para nele atuar oficialmente, propõe um extemporâneo arquivamento dos autos. O Supremo Tribunal, no entanto, simplesmente ignorou esse pedido da procuradora-geral, mantendo em andamento um inquérito que ele, Supremo, não poderia ter instaurado.

          Como se vê, tá tudo errado: é a grande mídia batendo cabeça com o presidente eleito; é a pequena mídia batendo cabeça com o Supremo; é o Supremo batendo cabeça com o Ministério Público; é o Ministério Público reagindo ao Supremo… e o país paralisado; em todos os sentidos.

        É nisso que dá destruir o arranjo institucional dos regimes democráticos; essas instituições e a mídia, para derrubar um governo de origem popular, não se importaram com o Direito, com a Economia, com a Democracia, com o Bem-Estar do povo… e até mesmo admitiram flertar com o fascismo.

         Agora é essa bateção de cabeça que não sabemos aonde vai dar; tanto pode dar apenas na fanfarronice que estamos vendo quanto na ditadura, mais à frente.

            Os ministros de Jair Bolsonaro então… nem se fala. Não há um dia em que não saem batendo cabeça por aí; são o que a sabedoria popular chamaria de “zero à esquerda”. Ou alguém conhece algum plano, alguma medida desses ministros para impulsionar a economia, combater o desemprego, melhorar a educação, a saúde, a segurança, o transporte e coisas que tais? Nadica de nada: só blá-blá-blá.

             Quem vai pôr ordem nessa bagunça? Os bagunceiros é que não serão. Nem os seus apoiadores. E certos segmentos da sociedade civil, mais perdidos que cachorro em dia de mudança, também andam batendo cabeça: já estão até mirando soluções autoritárias como a intervenção militar, por exemplo.

            Em vez de bater cabeça é melhor pôr a cabeça no lugar. Faz tempo que a sociedade brasileira vem dando cabeçada e abusando do direito de errar. Nos últimos tempos, o que se viu foi uma sucessão preocupante de erros.

        Pretendiam eleger o corrupto Aécio Neves para combater a corrupção (erraram!); derrubaram uma presidenta legítima sem que ela tivesse cometido crime (erraram!); puseram no seu lugar um vice corrupto (erraram!); condenaram um ex-presidente sem provas (erraram!); elegeram em seguida um neofascista (erraram!); agora querem intervenção militar (estão errando de novo!) – até quando?…

__________

http://www.avessoedireito.com

Esse post foi publicado em Avesso e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s