“Greve” e greve

          COMEÇA que a greve dos caminhoneiros não foi bem uma “greve” – no sentido jurídico, político e semântico do termo. Greve mesmo é a paralisação feita pelos trabalhadores empregados, visando obter alguma melhoria de suas condições de trabalho em face dos patrões. A dos caminhoneiros foi uma greve feita por patrões, empresas de transporte, caminhoneiros autônomos e empregados. Logo, pode-se dizer que foi, no máximo, uma greve-locaute; não foi genuinamente uma greve – senão apenas uma paralisação do setor de transporte.

               Curiosamente, apesar de ter sido uma paralisação que provocou desabastecimento no país todo, alguns transtornos e considerável prejuízo, ela teve a aprovação de 87% dos brasileiros (segundo o Instituto Datafolha). Greve, embora seja um direito constitucional da classe trabalhadora, é sempre malvista; sinônimo de prejuízo. Mas, dessa vez, não. O povo aprovou a greve, apoiou os caminhoneiros, não reclamou: ninguém saiu dizendo que eram um bando de baderneiros e vagabundos.

     Foi uma paralisação que, pela primeira vez, teve uma adesão espontânea impressionante. Não sofreu nenhum tipo de repressão policial; tampouco foi “desmoralizada” pela mídia burguesa, que costuma difamar todo e qualquer movimento da classe trabalhadora. Isso levou até à suspeita de que era um movimento político para derrubar o Temer, ou preparar um golpe militar – nada disso se confirmou: o Temer continua aí, e os militares, por enquanto, estão quietinhos na caserna.

            Todo esse sucesso da greve, ou melhor, desse movimento dos caminhoneiros que parou o Brasil, é facilmente explicável: o aumento no preço do diesel, da gasolina e do gás de cozinha é uma coisa que afeta o bolso de todo o mundo – não só dos caminhoneiros. Havia, por assim dizer, uma causa comum que unia a todos. Daí a força do movimento, que teve uma adesão fora do normal e um apoio popular “como nunca antes se viu na história deste país” – certo?

             Conclui-se daí que o grande detonador, o que desencadeou mesmo a paralisação dos caminhoneiros foi realmente o aumento progressivo no preço dos combustíveis. A principal reivindicação dos grevistas era exatamente essa: diminuição do preço do diesel. Reivindicavam também desonerações tributárias (PIS-COFINS); diminuição das tarifas de pedágio; tarifa mínima de frete etc. Mas o grande vilão da história, o que deflagrou o movimento foi mesmo o aumento no preço dos combustíveis derivados de petróleo; especialmente o diesel.

             E o que é que, no final das contas, desencadeou o aumento dos combustíveis que desencadeou a greve? Essa é a pergunta que deve ser feita. Mas essa é justamente a pergunta que não se faz; portanto, é a pergunta a que ninguém responde. Mas a resposta é fácil. Não tem segredo: os preços dos combustíveis aumentaram por causa da nova política de preços adotada pela Petrobras. Pronto. É só isso. Não precisa ficar com muita explicação, muito rodeio – não tem mistério.

            E por que a Petrobras mudou a política de preços? Essa é a outra pergunta que se deve fazer. Mas é outra pergunta que não se faz; portanto é mais uma a que ninguém responde. Todavia, a resposta a ela também é fácil. É claríssima: a Petrobras teve de aumentar seus preços simplesmente porque dobrou a importação de petróleo refinado (diesel e gasolina) dos Estados Unidos. Simples, não?: se você dobra as importações atreladas ao dólar, dobra também as dívidas com os credores internacionais.

             O Brasil, até agora há pouco, importava 40% do diesel e da gasolina consumidos no país, e, de uma hora pra outra, ou melhor, depois do golpe, passou a importar 80% desses combustíveis.

            Logo, para pagar essa dívida contraída com o aumento das importações é preciso aumentar os preços cobrados aos consumidores, e aumentar também os impostos… e mandar todo esse dinheiro para as refinarias norte-americanas. Assim, além de entregar o pré-sal na bacias das almas (um centavo por litro de petróleo), o Brasil vai ter que pagar mais para importar de volta esse mesmo petróleo refinado nos Estados Unidos – isso porque a Petrobras já desativou cinco refinarias nossas; prosseguindo no desmonte da terceira maior petroleira do mundo – é um crime de lesa-pátria.

        Quer ver, então, a diferença entre greve e “greve” (com aspas)? O sindicato dos petroleiros anunciou paralisação geral da categoria a partir de hoje, reivindicando: (1) diminuição dos preços de combustíveis; (2) fim das importações que provocam o aumento desses preços; (3) fim do desmonte da Petrobras; (4) garantia de emprego; (5) reativação de nossas refinarias; (6) demissão do presidente da petroleira – o homem que provocou toda essa confusão agora e que no passado já tentou privatizar a Petrobras.

              E o que é que aconteceu com essa greve dos petroleiros, que na verdade ainda nem começou?: já foi declarada ilegal pelo TST; a mídia já está dizendo que é uma greve política; a polícia já já baixa a repressão no lombo dos grevistas; e o povo, manipulado pela mídia, não vai apoiar a greve dos petroleiros nem a pau – mesmo com essa pauta que, além de defender a diminuição dos preços de combustíveis, defende as refinarias nacionais e a nossa soberania energética. Eta povo que sofre!

__________

http://www.avessoedireito.com

Esse post foi publicado em Avesso e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para “Greve” e greve

  1. Arthur Jacon disse:

    Oi, Professor:

    O Sardenberg tem verdadeira adoração pelo Pedro Parente. Só isso já depõe contra o sujeito. O Alexandre Schawtsman cinicamente disse que, nos tempos em que viveu nos states, o preço do combustível mudava toda hora. O JN acabou de fazer uma ode ao Pedro Parente, mas, também cinicamente, esqueceu de dizer que foi ele quem mergulhou o país no caos. Disse também que foi ele quem solucionou o apagão do FHC. Tem horas que eu gostaria de ser um idiota, ia sofrer menos.

    Abs,

    Arthur Jacon

    • Prezado Arthur,

      Subscrevo suas palavras e também sua revolta. Era de fato melhor não ver (não perceber) nada disso. Desativar nossas refinarias para importar derivados de petróleo refinados nos EUA, e pagando o preço volátil do mercado internacional, convenhamos: é o fundo do poço.
      Agradeço mais uma vez sua intervenção, lúcida como sempre.

      Abraço, Antônio Alberto Machado

  2. Arthur Jacon disse:

    Professor,

    Você é otimista. Provavelmente ainda não alcançamos o fundo do poço. As eleições estão chegando! Diria que desativar refinarias para importar combustível está mais para o fim da picada aberta por esse irresponsável que volta e meia aparece para impor seu ideário entreguista e rentista sobre a Administração Pública e sobre o povo incauto e/ou vulnerável. Será que um dia ficaremos livres de Pedro Parente?

    Abs.

    • Caro Arthur,

      De fato, esse Pedro Parente aparece sempre nos momentos em que o Brasil pratica políticas entreguistas. É um indisfarçado preposto dos Estados Unidos. O problema é que temos muitos “Pedros Parentes” por aqui. Se fosse só esse…
      Obrigado, mais uma vez.

      abraço, A.A.Machado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s